ABIA lança campanha de crowdfunding para livro duplo sobre a AIDS


A Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA) acaba de lançar uma ação pioneira para a causa da AIDS: a sua 1ª campanha de crowdfunding “ABIA: livro duplo para o combate a AIDS”.

Dados recentes indicam que cresceu o número de novos casos de AIDS  no Brasil, o que coloca o país entre as 25 nações que preocupam organismos internacionais. Sabemos que o acesso à informação é a melhor forma de prevenir, por isso contamos com sua colaboração para a impressão de uma edição especial (2 em 1) de 2 livros raros: Vida Antes da Morte (Herbert Daniel) e  A terceira Epidemia (Herbert Daniel e Richard Parker).

      

“Há uma coisa dentro de mim, contagiosa e mortal, perigosíssima, chamada vida, lateja como um desafio.” Herbert Daniel

Professores, alunos, pais e artistas ocupam a Av. Paulista em defesa da educação


Educadores, estudantes e suas famílias comemoram o Dia dos Professores na Avenida Paulista neste domingo (15) com ato em defesa da escola pública inclusiva e de qualidade. Com muita música, o evento também marca o lançamento do Movimento em Defesa da escola pública e da valorização dos professores, que têm sido alvos do ajuste fiscal dos governos em todas as esferas.

O bloco Ilu Obá de Min deu o tom inicial da festa, entoado o batuque africano comandado por mulheres.

Para Vicenta Maria, que participa da Apeosep, sindicato dos professores do ensino público no estado de São Paulo, o canto do grupo Ilu representa a diversidade religiosa e o respeito que deve prevalecer nas escolas: "Somos um país laico. Todas as religiões são importantes."

Rede de Comunicadores/as da Sociedade Civil pela Defesa de Direitos se articula contra retrocessos no campo dos direitos humanos e em resistência a concentração do sistema midiático


Nos dias 25 a 29 de setembro, em São Paulo, aconteceu o Encontro de Comunicadores/as da Sociedade Civil pela Defesa de Direitos. O objetivo da atividade foi fomentar a articulação do núcleo facilitador de uma rede de comunicadores/as de Organizações da Sociedade Civil (OSCs) para a defesa de direitos, cujo objetivo essencial é pautar, organizar e disseminar para um público amplo a produção de conteúdos sobre direitos, além de construir e trocar experiências e estratégias inovadoras e eficazes de mobilização social, promover a formação de comunicadores/as sociais, bem como compartilhar ferramentas e boas práticas neste campo político.

Ruralistas querem extinguir áreas protegidas quando governo não indenizar proprietários


Reportagem atualizada em 10/10/2017, às 12h10. Veja errata no fim da reportagem

Ruralistas querem aprovar um projeto, no Congresso, que prevê a extinção automática de Unidades de Conservação (UCs) caso o governo não indenize, em cinco anos, propriedades privadas sobrepostas a essas áreas. A proposta ameaça a criação de novos parques e reservas por causa do orçamento público cronicamente baixo para a área ambiental. Hoje, não há prazo para a desapropriação dos proprietários com terras em UCs.

Manifesto de chamamento ao Fórum Alternativo Mundial da Aguá 2018


O  Fórum Alternativo Mundial da Água (FAMA 2018) acontecerá entre os dias 17 e 22 de março de 2018, em Brasília. Nos dias 17, 18 e 19 as atividades acontecerão na Universidade de Brasília e entre os dias 20 e 22 serão realizadas atividades descentralizadas

É um evento internacional, democrático e que pretende reunir mundialmente organizações e movimentos sociais que lutam em defesa da água como direito elementar à vida.

Este  Fórum pretende unificar a luta contra a tentativa das grandes corporações em transformar a água em uma mercadoria, privatizando as reservas e fontes naturais de água. tentando transformar este direito em um recurso inalcançável  para  muitas populações, que, com isso, sofrem exclusão social, pobreza e se vêm envolvidas em conflitos e guerras de todo o tipo.

Várias entidades brasileiras e internacionais se reuniram e decidiram impulsionar este evento, como continuidade de Fóruns Alternativos anteriores, como os realizados em Daegu, na  Coreia do Sul, e em Marselha, na França.

Belo Horizonte recebe feira de produtos agroecológicos, arte e cultura


Depois da gratificante experiência no ano 2016, o Festival de Arte e Cultura da Reforma Agrária, chega pela segunda vez à Belo Horizonte, para compartilhar as cores, cheiros, músicas e sabores da cultura Sem Terra. O Festival é a quarta etapa do Circuito Mineiro de Arte e Cultura da Reforma Agrária que, desde o dia 2 de setembro passou pelas cidades de Governador Valadares, Montes Claros e Alfenas.

Sob o lema “Alimentar a luta, cultivar a arte!” o Festival contará com apresentações musicais, sarau de poesia, mostra fotográfica e de artes plásticas das escolas do campo, além da Feira da Reforma Agrária. A previsão é de cerca de 80 toneladas de alimentos e mais de 150 produtos diferentes, industrializados e in natura, produzidos em assentamentos e acampamentos de forma agroecológica e orgânica. Merecem destaque as delícias da Cozinha da Roça, com mais de 20 pratos típicos do interior e de estados convidados, como Goiás, Bahia, Espírito Santo e Distrito Federal. Tudo a preços acessíveis, direto do produtor para o consumidor.

Documentário Piripkura é exibido no Festival do Rio


Nos dias 7, 8 e 9 de outubro, o documentário Piripkura, dirigido por Mariana Oliva, Renata Terra e Bruno Jorge, estreia, na Première Brasil, Festival do Rio, um dos principais eventos de cinema do Brasil. As exibições acontecem no Cinépolis Lagoon, Cine Odeon e Kinoplex São Luiz em diferentes horários e, no dia 08 de outubro, haverá um debate após a exibição com a presença dos diretores e representantes de movimentos que atuam pelo reconhecimento e defesa dos direitos dos povos indígenas.

3 perguntas para entender a dificuldade da Justiça ao julgar crimes de gênero


Um homem agrediu a própria filha de 13 anos com fios elétricos e cortou seus cabelos como forma “de proteção”. O motivo? Ela não era mais virgem. Ele foi absolvido pelo juiz que garantiu que a conduta não era criminosa, mas um “exercício do direito de correção”.

Outro homem foi detido após ejacular em uma mulher dentro de um ônibus na Avenida Paulista. Ele foi liberado sob o argumento de que “não houve constrangimento”. No dia seguinte, o mesmo homem foi flagrado esfregando o pênis em outra mulher dentro do transporte público. Era a 17ª passagem dele pela delegacia por situações similares.

O Brasil é quilombola - #nenhumquilomboamenos


O julgamento foi adiado, mas a luta continua. Assine a petição!

Em 2004, o Partido Democratas (DEM) entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no STF, questionando o decreto 4887/2003 que regulamenta a titulação das terras dos quilombos. No dia 16 de agosto o julgamento foi adiado e será retomado no dia 18 de outubro.

Todos os títulos de quilombos no país podem ser anulados. O futuro das comunidades está em perigo. Novas titulações não serão possíveis sem o decreto. Mais de 6 mil comunidades ainda aguardam o reconhecimento de seu direito.

As comunidades quilombolas são parte da nossa história, do nosso presente e também do nosso futuro.

Assine a petição e diga ao STF que não aceite a ação do Partido Democratas! Junte-se à luta dos quilombolas pelo seu direito constitucional à terra.

O Brasil é quilombola! Nenhum quilombo a menos!

Assine a petição

O Brasil abandona suas mulheres, diz maior especialista em aborto legal


Jefferson Drezett nos corredores do Pérola Byington - Imagem: Amanda Perobelli/UOLHá 23 anos, o ginecologista e obstetra Jefferson Drezett coordena o mais exemplar serviço de aborto legal do país. O Pérola Byington, localizado no centro da cidade de São Paulo, é o hospital modelo quando o assunto é aborto nos ditames da lei brasileira: apenas em gravidez decorrente de estupro (até 22 semanas), risco de vida à mãe e fetos anencéfalos (em qualquer momento da gravidez) –essa última, uma decisão de 2012 do Supremo Tribunal Federal.

Atualmente, a equipe chefiada pelo médico atende cerca de 40 mulheres ao mês para realizar o procedimento. Um número que só cresce, segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Em 2015, o hospital realizou 89 interrupções de gestação.