Lima consegue acordos climáticos mínimos e deixa quase tudo para 2015

Depois de mais de 13 dias de debates, os negociadores de 195 países da COP 20 da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima em Lima conseguiram um acordo mĩnimo de medidas para enfrentar as mudanças climáticas, adiando as decisões principais para a COP 21 daqui a um ano em Paris. A COP 20 deixou sem resolver assuntos centrais como a fiscalização dos compromissos de redução de emissões de cada país e o reconhecimento de perdas e danos causados pelas alterações do clima, entre outros.

Leia mais



Comissão da Verdade quer nova Segurança Pública


Por Marcelo Pellegrini e Rodrigo Martins, na Carta Capital

O relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), divulgado nesta quarta-feira 10, recomenda um conjunto de medidas que, se realizadas em conjunto, consistiriam uma das maiores reformas na área de segurança pública ocorridas na história do Brasil. A CNV ecoa sugestões feitas anteriormente por outros organismos internacionais, e sugere alterar estruturas remanescente do período militar que nem o processo de redemocratização se propôs a realizar.

Planeta está chegando a ‘ponto crítico’, diz presidente da Assembleia da ONU


O planeta Terra está chegando ao um “ponto de inflexão”, disse o presidente da Assembleia Geral da ONU, Sam Kutesa, convocando os líderes mundiais a tomar medidas urgentes a favor de um acordo climático que promova o desenvolvimento socioeconômico de forma sustentável durante as atuais negociações ambientais da vigésima Conferência das Partes (COP-20) sobre as mudanças climáticas, em Lima, Peru. 

Kutesa enfatizou que as mudanças climáticas ameaçam a existência da humanidade. “Nosso planeta está aquecendo. A neve está diminuindo. Os níveis do mar estão subindo. As secas estão se tornando mais longas e mais frequentes. Enchentes e deslizamentos de terra estão aumentando”, disse. 

Publicação critica invisibilidade das mulheres durante manifestações populares de 2013


No ano passado, grandes manifestações tomaram as ruas em diferentes Estados do Brasil. Às reivindicações iniciais, centradas nas tarifas do transporte público, se somaram diversas outras pautas, o que mobilizou grandes contingentes de pessoas.

Dentre muitas análises de conjuntura feitas após o ápice das manifestações, a ONG Casa da Mulher Trabalhadora (CAMTRA) apresentou uma perspectiva pouco explorada e, no entanto, essencial quando o propósito é contestar o modelo político vigente e a representação da população brasileira na política.

Em Olhares feministas sobre as mobilizações, a CAMTRA analisa o período intenso de manifestações populares a partir de uma perspectiva feminista e constata a invisibilidade das pautas relacionadas aos direitos das mulheres mesmo em um espaço de luta por justiça social em que houve grande participação de movimentos sociais e grupos de esquerda.

Ruralistas tentam aprovar ilegalmente PEC 215, mas votação é adiada para a próxima semana


Deputados ruralistas tentaram, ontem, instalar uma reunião da Comissão Especial que analisa a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215 no mesmo horário em que ocorriam votações no plenário da Câmara e na ausência do presidente da comissão, o que é proibido pelo regimento. O golpe fracassou, sob o protesto de manifestantes. Uma nova votação do relatório do deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) foi marcada para a próxima terça, dia 16, às 14h.

10 de dezembro – Sem os direitos das mulheres não há direitos humanos


O 10 de dezembro marca a comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos e o encerramento da campanha 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher. Neste ano é inegável que o tema das violações cotidianas sofridas pelas mulheres, e especialmente pelas mulheres negras, ganhou mais espaço nos veículos de mídia. “Percebemos que nestes dias aumentou muito o noticiário sobre essas questões, e esse é um ponto muito importante porque os 16 dias de ativismo têm também o objetivo de diminuir os índices de violência a partir da divulgação. A campanha também motivou mobilizações no Brasil inteiro, de todas as formas que se possa imaginar, o que também é bem importante.

Ruralistas ampliam ataque aos direitos fundiários dos povos indígenas


O Cimi - Conselho Indigenista Missionário repudia veementemente o texto do “Substitutivo à Proposta de Emenda à Constituição 215/2000” apresentado pelo deputado ruralista Osmar Serraglio (PMDB-PR), no dia 17 de novembro de 2014. A PEC 215/2000 e seu Substitutivo é descaradamente inconstitucional e ultrajante aos povos. Inviabiliza novas demarcações de terras indígenas. Reabre procedimentos administrativos já finalizados. Legaliza a invasão, a posse e a exploração das terras indígenas demarcadas.

Rede NAMI abre inscrições para curso de graffiti


A Rede NAMI, com o apoio da Fundação Ford, abre inscrições de processo seletivo para curso de graffiti com recorte de gênero e raça, e com foco na economia criativa, que acontecerá a partir de abril de 2015.

De onde brotam os espinhos


Os Povos e Comunidades Tradicionais e Agricultores Familiares do Brasil, em nome próprio, representados por suas entidades e entidades parceiras que subscrevem a presente, com base nos artigos 8 ‘j’, 10 ‘c’ da Convenção da Diversidade Biológica, promulgado pelo Brasil no Decreto nº.

Entrevista com Action/2015


Em janeiro de 2015, ocorrerá o lançamento da campanha action/2015 cujo intuito é mobilizar a comunidade mundial para pedir a adoção de uma agenda ambiciosa para o desenvolvimento sustentável e um acordo do clima em 2015.

Com mais de 300 organizações, redes, e parcerias representando todos os continentes e regiões – o movimento action/2015 cresce rapidamente. A Action/2015 irá motivar o público sobre a possibilidade de mudança e mobilizar cidadãos ao redor do mundo a pressionar líderes mundiais a tomarem medidas ambiciosas pelo futuro das pessoas e do planeta.

Na entrevista abaixo, Marie L’Hostis, coordenadora do Núcleo Global da campanha action/2015, e Tom Baker, Diretor de Campanhas e Engajamento da Bond, falam de sua animação com a campanha e explicam como a sociedade civil e, particularmente, as plataformas nacionais de OSCs podem participar dela.

Quem se reuniu para dar início à action/2015 e como a campanha começou?

Todos somos paraenses


Por Bruno Paes Manso, na Ponte

Rio de Janeiro, 1958. Notícias de roubos e assaltos fazem com que a imprensa compare a então Capital Federal à Chicago de Al Capone. Em resposta, o Comando do Exército cria o Grupo de Policiamento Especial, liderado pelo policial Milton LeCocq, que se notabiliza pela truculência. Em 1962, durante um tiroteio com um criminoso conhecido como Cara de Cavalo, o policial é baleado e morto. Seus parceiros pedem o sangue do assassino. Começa a nascer a Scuderie LeCocq, com seu símbolo de caveiras e tíbias enlaçadas, grupo que ajudaria a moldar a ideologia e as imagens da violência que contaminariam os maus policiais nas décadas seguintes.