Sede da ONG Verdejar é demolida para construção de subestação da Light


A sede da ONG Verdejar, na Serra da Misericórdia (RJ), está sendo demolida por determinação da desembargadora Norma Suely Fonseca Quintes, que concedeu a imissão de posse à Light, em detrimento da organização. A ONG alega não ter sido informada do processo. A companhia de energia  já havia feito um pedido anterior que foi negado pela justiça comum. No local onde o grupo estava há mais de 15 anos, com ações em prol da preservação ambiental da região, será construída uma subestação de energia. A direção do Verdejar disse que não foi apresentado um projeto para a comunidade e também tem dúvidas quanto ao destino de um campo de futebol que é utilizado pelos moradores.

As mobilizações de apoio ao grupo estão sendo feitas através da página do Verdejar no Facebook: http://www.facebook.com/verdejar?sk=wall.
Veja as fotos da invasão e demolição.

Um pouco da história do Verdejar

Há mais de dez anos o Verdejar atua na região da zona norte do Rio de Janeiro, e hoje compõe a Articulação Metropolitana de Agroecologia e a Rede de Agricultura Urbana. O Verdejar Proteção Ambiental e Humanismo foi criado em 1997, no maciço da Serra da Misericórdia (Complexo do Alemão), quando dois moradores do bairro de Inhaúma decidiram pôr algumas mudas em um carrinho de mão, e em rumo pela antiga Estrada Velha da Pavuna (Atual Av. Ademar Bebiano), subiram a comunidade Sérgio Silva (Componente do Complexo do Alemão) para plantar as mudas de Mata Atlântica na área verde da Serra numa localidade que mais tarde o grupo passou a chamar de Praça do Meio.

 

Em 1998 o grupo deslanchou promovendo uma série de atividades com a participação da comunidade: foram organizados dois plantios de mudas e quatro festas. Esses encontros foram feitos com o intuito de atrair moradores da comunidade para participarem do grupo e conscientizá-los da importância da recuperação ambiental da Serra da Misericórdia para a melhoria da qualidade de vida local.

 

Em 1999, o grupo fez um acampamento ecológico mantendo sentinela de 24 horas por dia por mais de um mês para conter o crescimento desordenado da própria comunidade Sérgio e Silva que crescia sobre a área verde. Para obter êxito, o grupo criou no local a Horta comunitária e o Horto Chico Mendes, que hoje são projetos da ONG. Fez contato com a Comissão de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro buscando orientações de como proceder para evitar que a comunidade Sergio e Silva se expandisse sobre a área verde e como melhorar a atuação do grupo que desde sempre reivindica a transformação da Serra da Misericórdia em Parque Ecológico.

 

A partir dessas articulações surgiu um movimento ambiental em defesa da Serra da Misericórdia que elaborou um dossiê orientado pelo geólogo Cláudio Martins Prof. da Universidade Federal Fluminense (UFF), que entre outras coisas reivindicava a desativação de três pedreiras das que operam na Serra da Misericórdia, consideradas altamente poluidoras da região e a transformação dos espaços destas em um grande Parque Ecológico.

 

Neste mesmo ano de 1999 um grupo de grileiros de terras se apossou, ilegalmente, de um grande lote de área verde da comunidade Sérgio Silva visando criar um condomínio de classe média. Após dois anos de luta o Verdejar através de sua atuação no Ministério Publico conseguiu derrubar o loteamento e autuar seus responsáveis por crime ambiental e grilagem de terras. O grupo reivindica para o local a instalação de uma lona cultural e uma praça de esportes. No mesmo ano foi realizado o 1º Seminário Ecológico da Serra da Misericórdia organizado pelo movimento ambiental local. Como resultado deste seminário esse movimento ambiental teve sua primeira grande vitória, o decreto nº. 19.144 de novembro de 2000 que criou a APARU (Área de Proteção Ambiental e Recuperação Urbana) da Serra da Misericórdia, pelo então prefeito Luis Paulo Conde.

 

No ano de 2001 a Verdejar em parceria com Bicuda Ecológica, Os Verdes, CEPEL (Centro de Estudos e Pesquisas da Leopoldina) e CONSA (Conselho Comunitário de Saúde do Complexo do Alemão) lançam a Carta Aberta da Serra da Misericórdia. A partir de então o Verdejar passou a sentir cada vez mais a necessidade de se institucionalizar para poder captar recursos que pudessem contribuir para o desenvolvimento das ações e projetos propostos pelo grupo. Assim, em 2004 foi fundado o Verdejar Proteção Ambiental e Humanismo que ainda hoje mantém características de movimento comunitário e sempre buscando o aperfeiçoamento institucional.

 

Alguns daqueles moradores que iniciaram o movimento há mais de 10 anos ainda permanecem muitos destes fizeram suas vidas, ou melhor, criaram perspectivas para sua vida a partir dos desafios ambientais desta região. Hoje a equipe é multidisciplinar composta por graduados e graduandos e pós-graduandos em diversas áreas do conhecimento. Esse grupo vem fazendo inúmeras atividades e articulações com os mais variados atores sociais locais e “externos” ao território, no sentido de contribuir para melhoria das condições de vida através da preservação e recuperação da APARU da serra da Misericórdia, buscando contribuir para formação de uma cultura saudável, sustentável, uma cultura de paz para toda a Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro.

 

O Verdejar é uma das iniciativas mais significativas de agricultura urbana que temos nesta cidade e no país.

Com informações da Agência de Notícias da Favela.